Má conduta de Bryan Singer quase fez elenco abandonar set de X-Men 2



O portal de notícias Hollywood Reporter revelou hoje uma série de depoimentos sobre o comportamento não profissional e abusivo do diretor Bryan Singer, que atualmente lida com várias acusações de estupro de menores.


Ele dirigiu os filmes X-Men, X-Men 2, X-Men: Dias de um Futuro Esquecido e X-Men: Apocalipse, mas desde o primeiro filme da franquia ele já apresentava comportamentos irresponsáveis, tendo também crises de raiva e uso de drogas.

Allstar Picture Library Ltd/Alamy Stock Photo

Muitos no set caracterizaram o seu uso de drogas como problemático, levando a chegadas tardias, mudanças de humor e birras explosivas. Alguns dos personagens, como a Mística de Romijn, exigiam horas de pintura corporal antes das filmagens. Por um capricho, Singer decidia não usá-la na cena que ficou horas se preparando.

O atual chefe da Marvel, Kevin Feige, na época um jovem assistente que trabalhava para a produtora da franquia, Lauren Shuler Donner, foi enviado para garantir que alguém estivesse mantendo Singer na linha.

Nos bastidores de X-Men: O Filme houveram até acusações de que Singer trocava papéis por sexo.


× ACIDENTE E REVOLTA EM X-MEN 2
Brian Singer possuía comportamento abusivo além do uso de drogas em set

Fontes do THR indicam que em certo momento durante a produção da sequência do primeiro filme, Singer decidiu gravar uma cena de ação um dia antes do planejado, sem a presença de coordenadores de dublês.

Não bastasse isso, o diretor estava sob efeito de drogas, e claramente incapacitado. O produtor Tom DeSanto ordenou que a produção fosse paralisada, mas Singer ignorou, e filmou a cena mesmo assim. A decisão resultou em um acidente em que Hugh Jackman acabou se machucando e ficando ensanguentado no set. Depois disso, o produtor Ralph Winter ordenou a paralisação das gravações.

No dia seguinte, todo o elenco para esta cena de ação ameaçou se demitir depois que a Fox aparentemente estava inclinada a proteger Singer, mesmo ciente da irresponsabilidade do diretor.


O elenco então teria se revoltado contra Bryan Singer e teriam ido em peso até o trailer do diretor, ainda usando seus uniformes, para confrontá-lo, ameaçando deixar o filme. Halle Berry (Tempestade), inclusive teria falado para o Singer: “beija minha bunda preta”.

No final, a situação acabou sendo tranquilizada e X-Men 2 acabou sendo concluído. Uma pessoa envolvida na franquia, que se manteve anônima, afirmou ao THR:

“O comportamento dele era ruim. Nós aceitamos isso no primeiro filme, e portanto podíamos aceitar também no segundo. E assim por diante. E isso criou um monstro”.

× TOLERADO POR ENTEGAR RESULTADO$

Muitos dos envolvidos no primeiro filme confessam que a irresponsabilidade de Singer estava clara desde o início. Mas os produtores envolvidos estavam mais interessados no produto final e no retorno financeiro. Shuler Donner explica:

“Você tem que entender, o cara era brilhante, e por isso nós o toleramos. E se ele não fosse tão perturbado, ele seria um ótimo diretor”.


Por fim, para muitos envolvidos com X-Men, a implosão de Singer começou naquele cenário – uma vítima de seu não profissionalismo.

“Ele estava muito nervoso e agia quando estava inseguro, como muitas pessoas fazem. Mas sua maneira de agir seria gritar e gritar com todos no set. Ou sair do set ou desligar a produção.

Conclui a produtora Shuler Donner, que se recusou a assistir à estréia do longa por frustração.

É triste saber que um grande filme como X-Men 2 teve uma produção tão perturbada e caótica.

O que você achou dessa história toda? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

LEIA TAMBÉM: Entenda como Ike Pelmutter boicotou os X-Men!