10 coisas que você não sabia sobre X-Men: A Série Animada



X-Men: A Serie animada é uma das mais populares e queridas animações dos mutantes. Lançada em 1992, após 5 temporadas e 76 episódios, ela infelizmente chegou ao fim. Mesmo que seu lançamento tenha acontecido há quase 30 anos atrás, há algumas curiosidades que você pode não saber sobre esse clássico dos desenhos. A seguir, você poderá conferir 10 coisas que você pode não saber sobre X-Men: A Série animada.


⊗ 1. Problemas de Continuidade

Esse desenho é uma das primeiras animações a serem serializadas com cada um dos episódios tendo continuação no próximo. Ainda que a maioria deles também funcionem sozinhos. No entanto, depois que a Saga da Fênix foi ao ar, alguns episódios restantes que foram ao ar não estavam na ordem de continuidade correta. Como a maior parte dos episódios estava sendo animada em estúdios diferentes, os escritores decidiram não continuar com histórias lineares como as duas primeiras temporadas, pois muitos precisavam ir ao ar assim que estivessem prontos.

Os problemas de continuidade tornaram-se tão graves que o episódio “Nenhum Mutante é uma Ilha” e o episódio “Longshot” só foram ao ar dois anos depois que deveriam. Isso por causa dos problemas de qualidade da animação. “Nenhum Mutante é uma Ilha” deveria explicar o retorno de Jean Grey após a saga da Fênix Negra. Ambos os episódios só foram exibidos na quinta temporada. Alguns episódios inclusive, foram depois refeitos para o DVD, como pode ser visto na imagem acima.


⊗ 2. Os traços diferentes da última temporada

Além é claro dos problemas de animação já citados, há uma outra explicação para haver traços muito diferentes do que estávamos acostumados. Sidney Iwanter, um executivo da Fox, planejou originalmente “encerrar” a série com um grande climax nos episódios “Acima do Bem e do Mal parte 1 a 4”. Eles até planejaram deixar os personagens na equipe no final, mas de ultima hora a Fox pediu mais episódios. Infelizmente, na época, a Marvel estava entrando com pedido de falência e não podia produzir mais episódios, então a Saban os financiou diretamente. Isso explica porque os últimos seis episódios parecem ser tão diferentes dos 70 anteriores.

⊗ 3. Dublador de Magneto o faria também no Filme

Todos nós estamos acostumados com a interpretação icônica que Ian McKellen trouxe para Erik Lensherr. No entanto, alguém que conhecia ainda mais o personagem quase interpretou o mestre do Magnetismo.

David Hemblen (dublador original de Magneto na animação) teve a chance de interpretar Magneto em X-Men: O Filme. Hemblen queria o papel, mas foi forçado a recusá-lo devido a conflitos de agenda com a série em que atuava na época, Terra: Conflito Final (1997).


⊗ 4. A era do Apocalipse foi inspirada na animação

Depois de voar para Los Angeles para reuniões de discussão sobre o futuro da série animada, o editor dos X-Men nos quadrinhos Bob Harras ouviu sobre a história do episódio “O Valor de um Homem” e se interessou muito. Nesse episódio, Bishop e Shard viajam para um mundo alternativo apocalíptico onde Charles Xavier morreu. Harris gostou tanto dessa história que decidiu adaptar a ideia para os quadrinhos com aquele considerado um grande clássico nos quadrinhos, a “Era do Apocalipse”.

⊗ 5. Morfo foi criado para morrer

Morfo foi um personagem feito para ser “descartável”, assim os escritores poderiam matá-lo e mostrar a seriedade da animação. Changeling (como era chamado) foi escolhido por causa de seus laços anteriores com os X-Men, bem como sua longa ausência dos quadrinhos. Seu codinome teve que ser alterado de Changeling para “Morph”, já que a DC Comics registrou o nome de Changeling para outro metamorfo conhecido, o Mutano. A morte de Morfo era para ser permanente, mas ele ganhou tanta popularidade e de uma forma tão inesperada, que foi trazido de volta.


⊗ 6. O nome “Acólitos” foi censurado

Os Acólitos, são o grupo de mutantes liderados por Magneto e residem no Asteróide M. Esses mutantes nunca foram chamados por esse nome na série. Isso aconteceu pois o departamento de “Padrões e Práticas de Transmissão”, proibiram os escritores de chamá-los por esse nome. Esse departamento é responsável pelas implicações morais, éticas e legais de um programa de televisão que vai ao ar

Acólito é um assistente ou seguidor que ajuda o celebrante em um serviço religioso ou procissão. Em muitas denominações cristãs, eles auxiliam os ministros ordenados (Bispo, Padre ou Diácono) nas ações litúrgicas, sobretudo na celebração da Santa Missa. Por ser um nome advindo de práticas religiosas, a produção foi proibida de chamar os mutantes “vilões” dessa forma.

⊗ 7. A animação está dentro do multiverso Marvel

Dentro dos Manuais Oficiais do Universo Marvel de A-Z o desenho animado dos X-Men é apontado como parte do multiverso da Marvel, habitando a Terra-92131. Peter Parker de Homem Aranha: A Série Animada também faz parte dessa mesma Terra. Além disso, o futuro distópico que Bishop tentou prevenir na 2ª temporada está listado como Terra-13393. Já o local existente após Cable liberar e curar a praga está listado como Terra-121893.


⊗ 8. O envolvimento de Stan Lee na produção

Quando a série foi produzida, Stan Lee não estava trabalhando nos quadrinhos da Marvel. Sendo assim, seu envolvimento com X-Men: A Série Animada não foi muito grande. Ele apenas deu algumas dicas a alguns produtores nos primeiros treze episódios. Segundo um produtor no entanto, Stan se afastou porque a série animada tinha uma visão mais adulta do que a que ele pensou para os mutantes inicialmente, que era mais infantil.

⊗ 9. X-Men, Power Rangers e Batman

A Fox inicialmente não achava que um desenho que contivesse romance iria funcionar com as crianças, por isso tinha resistência sobre dar aprovação para a produção. No entanto, a produtora Margaret Loesch, que já havia havia obtido sucesso com a animação dos anos 80 “Homem-Aranha e seus Incríveis Amigos” pensava diferente.

Loesch deixou a Marvel Productions e tornou-se chefe da divisão da Fox Children’s Network, responsável por todos os programas de animação do canal. Sua primeira decisão então foi aprovar as versões animadas do Batman e dos X-Men. Enquanto Batman: A Série Animada (1992) foi fácil de fazer acontecer graças ao Batman de Tim Burton (1989), o mesmo não pode ser dito para os X-Men. O chefe dela, Jamie Kellner (chefe do canal principal da Fox) disse a ela que se ela quisesse aprovar uma animação dos X-Men, ele só a apoiaria se ela compreendesse que se desse errado, a carreira dela estaria acabada. Ela então sem pensar, ligou para Stan Lee e disse:


“Ok, não consegui vender, mas agora quero comprar. Sei que será um sucesso, acredito em meu coração. Embora queira te dar algum tempo, seria bom se pudéssemos começar o mais cedo possível, mas vou lhe dar alguns meses extras para fazer isso, pois quero que você tenha tempo para fazer bem feito”.

A Marvel se juntou a Saban Haim, da Saban Entertainment, e fez um acordo de que, se eles fizessem a pós-produção da animação, Loesch compraria os direitos de exibição dos Power Rangers (1993), que foi outra série no qual apenas Loesch viu potencial. Com 12 episódios programados para X-Men, lançando Batman a Série Animada e comprando e exibindo Mighty Morphin Power Rangers, Loesch trouxe muito sucesso para a Fox Kids.

⊗ 10. A animação possui seu próprio quadrinho

X-Men Adventures foi um spin-off de quadrinhos da série animada. Começando em novembro de 1992, adaptou as três primeiras temporadas do desenho. Em abril de 1996, seu nome mudou para Adventures of the X-Men, que continha histórias originais ambientadas na mesma continuidade. A HQ durou até março de 1997, logo após o cancelamento da animação no canal da Fox.


Chegamos ao fim dessa lista, você sabia de todas essas coisas? Diga quais delas você não conhecia. Diga também se há alguma curiosidade da animação que não está na lista.

LEIA MAIS: 10 Coisas que você não sabia sobre X-Men: Evolution