As principais diferenças entre Deus Ama o Homem Mata e X-Men 2



X-Men 2 ou X2 está entre um dos favoritos, se não for o filme favorito da maioria dos fãs dos mutantes do cinema. O longa dirigido por Bryan Singer é baseado em Deus Ama, O Homem Mata, quadrinho de Chris Claremont e Brant Anderson. Essa história é facilmente encontrada no top 5 de todo fã do Xavier e seus alunos. Sendo assim, hoje, o Universo X-Men vai apresentar as principais semelhanças e diferenças entre X-Men 2 e Deus Ama, O Homem Mata.


⊗ Enredo
Deus Ama

Em X-Men 2, o major William Stryker, é um vilão determinado a destruir os mutantes. Ele é um militar anti-mutante que, utilizando suas influências, toma para si a Mansão X, sequestra Ciclope e também o Professor Xavier. Além disso, através de Magneto, que está preso, ele consegue informações para criar sua própria versão do Cérebro. Tudo isso com o objetivo de exterminar todos os mutantes existentes no planeta. Nos quadrinhos, o objetivo de Stryker também é esse, mas, para atingi-lo, ele almeja criar uma guerra entre humanos e mutantes. Essa guerra visa fazer com que os humanos, que são a maioria, se livrem daqueles que ele considera uma aberração. Para isso, ele organiza um evento televisionado mundialmente, para poder pregar contra todos os mutantes.


Em ambas as histórias, Stryker é apresentado como antagonista, mas nos quadrinhos, a característica principal do personagem é ser um cristão fundamentalista. O reverendo Stryker, como é chamado, acredita que o criador das mutações não é ninguém menos do que o próprio Diabo. Por isso, ele pensa ser um escolhido de Deus que precisa exterminar os mutantes.

Outra diferença do enredo está nos arcos secundários desenvolvidos apenas no longa metragem. Enquanto Deus Ama, O Homem Mata é uma saga fechada que foca apenas nos X-Men lidando com os conflitos causados por Stryker e seus asseclas, X-Men 2 apresenta como enredos secundários a história de Wolverine em Arma X, e também traz uma adaptação do sacrifício de Jean Grey na Saga da Fênix.


⊗ Personagens

Em X-Men 2 temos: Professor Xavier, Jean Grey, Tempestade, Wolverine, Vampira, Ciclope, Noturno, Homem de Gelo, Pyro e participações de Colossus, Syren e Kitty. Já do lado dos vilões, temos William Stryker, Lady Letal – que está sendo controlada por um soro – e Jason. Este ultimo é uma adaptação de Jason Wyngard, o Mestre mental, junto com o filho de Stryker, que nos quadrinhos morreu quando era apenas um bebê. Temos Também Magneto e Mística, que são personagens neutros no longa, se juntando aos X-Men apenas por benefício próprio.

Nos quadrinhos, o lado pró-mutante conta com Professor Xavier, Ciclope, Tempestade, Wolverine, Colossus, Kitty (Ariel), Noturno e uma pequena participação de Magia. Magneto também acaba se juntando a causa apenas para deter Stryker. O reverendo conta com sua assistente Bess, o médico Dr. Ramsey e a equipe especializada em exterminar mutantes, os Purificadores. Esses caçadores de mutantes são liderados por Anne, que acaba se descobrindo um mutante no final.

Como dito anteriormente, o filho de Stryker é brevemente mencionado. É revelado que o bebê foi morto pelo próprio pai, assim que o reverendo descobre que a criança é uma mutante. Além disso, o até então sargento do exército, quebra o pescoço da própria esposa por ela ser, segundo ele, aquela que deu a luz ao mal. A partir daí o ódio para com os mutantes se inicia, pois após esses acontecimentos ele se torna um pastor. Vale mencionar, que em Deus Ama, O Homem Mata, Stryker não tem nenhuma relação com Wolverine e o projeto Arma X.


⊗ O plano do vilão

Tanto nos quadrinhos quanto nos filmes, o Professor X é peça chave para a conclusão dos planos de Stryker. No filme, o vilão cria uma réplica do Cérebro. Nos quadrinhos, o aparelho que amplia os poderes de Xavier é chamado de aparelho de sondagem mental, e, apesar de fazer com que Charles ataque os mutantes para matá-los, a escala do ataque não é mundial. O objetivo de Stryker é apenas atacar todos os mutantes para revelá-los ao público, para colocar a população não-mutante contra os heróis e seus semelhantes. Como era de se esperar, nas duas histórias os planos de Stryker são frustrados, os X-Men unem suas habilidades as de Magneto (e Mística, no caso do filme) e conseguem impedir que Xavier mate todos os mutantes.


⊗ A Conclusão dos Eventos

A diferença entre como tudo ocorre fica por conta da forma como Stryker é impedido. No filme, Magneto reverte o plano do personagem, fazendo com que Xavier ataque aos homo sapiens ao invés dos mutantes, captura Stryker e o deixa para morrer com a destruição das barragens da represa. Já nos quadrinhos, temos um herói improvável, um policial, um humano comum, que ao ver que o reverendo está prestes a atirar em Kitty, atira primeiro, permitindo que o fanático religioso seja preso. Essa ação tem muito impacto, porque dá alguma esperança aos mutantes. Com uma ação dessas, o policial mostra que nem todos os não-mutantes são maldosos e intolerantes como Stryker.


⊗ Diferentes abordagens, o mesmo objetivo

X-Men 2 não é idêntico à história em que se baseia, isso faz com que cenas clássicas como aquela em que Stryker humilha Noturno publicamente por causa de sua aparência não fossem adaptadas. A importância dessa cena reside no fato de que, dentre todos os X-Men presentes na situação, Noturno, aquele com a aparência menos comum, era o mais gentil de todos eles, e também aquele com as crenças mais próximas às crenças religiosas de Stryker. Não visualizar a essência do mutante impede ao homem preconceituoso entender alguém bom como Noturno.

O filme tem outra abordagem para mostrar esse preconceito, ela pode ser vista na cena da casa de Bobby Drake, o Homem de Gelo. Em uma conversa com seus pais, Bobby revela a eles pela primeira vez que é um mutante, o que causa contrariedade em sua família. A mãe do jovem pergunta se ele já tentou “não ser um mutante”, uma pergunta feita com bastante frequência às pessoas pertencentes a comunidade LGBTQI+. Não apenas isso, o irmão do Homem de Gelo chama a polícia para prendê-lo, o que acaba gerando uma confusão, que poderia ter causado a mortes de inocentes, visto que Wolverine toma um tiro na testa. Uma forma diferente de abordar o mesmo preconceito apresentado na HQ.


⊗ O filme é ou não uma boa adaptação?

Essa é uma pergunta cuja a resposta é muito pessoal. Ainda assim, é fácil concluir que ambas as mídias obtiveram êxito no que se propuseram. Enquanto a HQ se tornou um clássico citado sempre no topo da lista dos maiores quadrinhos de todos os tempos, X-Men 2 ainda é um dos filmes favoritos dos fãs dos mutantes mesmo após quase 20 anos de sua estreia. Estes são clássicos que merecem ser vistos e revistos, aproveitando cada um dos pontos positivos que ambas as mídias nos trouxeram.

Você conhece alguma diferença ou semelhança entre X-Men 2 e Deus Ama o Homem mata que não foi citada no texto? Diga nos comentários. Diga também se gosta da história da HQ. E, afinal, o que você acha do filme como adaptação?